A Grande Máfia do Agradar

Claro que você já viu uma menina num salto altíssimo desfilando por aí. Todos a admiram mesmo sabendo que a sandália aperta seus dedos a cada movimento, que força a sua coluna e ao fim da noite a proporcionará uns minutos de arrependimento. Ela escolheu usá-la baseado na sensação de se sentir poderosa ou ao menos comprou essa ideia, graças às milhares de vezes que viu uma modelo atraente caminhando numa propaganda ou pela dezena de filmes mostrando transformações que incluíam o item na versão lacradora da personagem.

Já notou como algumas mulheres possuem olhares marcantes quando se produzem para uma balada? Muitas das vezes optam por mascaras para cílios a prova d´agua e aquele troço demora uma eternidade para sair. A dificuldade existe até usando um demaquilante adequado, que na retirada leva com ele paciência e alguns cílios naturais.  Costumam usá-lo pelo efeito de “cílios de boneca” que é lindo quando obtido e fotografa muito bem, mas carrega o defeito de ser um inferno durante a remoção.

Calma, esse texto não é para fortalecer estereótipos negativos que dizem que feministas não são vaidosas, até porque vaidade proporciona autoestima e envolve escolhas individuais que dizem respeito à liberdade de cada uma. Particularmente, adoro pôr uma roupa que valorize meu corpo junto de um par de sapatos que encaixam bem com o estilo que escolhi para o dia. E, por mais despojada que me julgue, adoro me expressar pelo batom vermelho que uso e por todos os detalhes que cuido antes de sair de casa, claro, nem todos os dias porque não sou de ferro. A questão é que podemos fazer isso sem precisar optar por uma infinidade de produtos que atrapalham, machucam, causam danos irreparáveis e que só usamos para agradar aos outros e não a nós mesmas.

Eu olho as meninas com treze anos no meu bairro e elas não sabem, mas já foram pegues pela GMA, isto é, Grande Máfia do Agradar. Todas essas garotas estão no que chamam de pré-adolescência e já estão vestidas com roupas extremamente sensuais, divulgando inclusive, fotos provocativas nas suas redes sociais. Se eu perguntasse a uma o porquê de ela estar agindo assim, talvez só responda que é porque é legal.

Não é legal ter que agir igual a outras pessoas para se enturmar e é sobre isso que diz respeito essa tal máfia. Ela vem impedindo pessoas de seres aceitas pelo que são, com as belas estranhezas que possuem. E como conseguir sair de uma organização quando existem militantes por toda parte reparando em qualquer mudança que ocorre conosco e mesmo quando acham que estão elogiando dizem frases como: “Nossa, como você está mais magra! Está linda” e “fez muito bem a vocês esses quilinhos a menos” que são duas frases que querem dizer que você não estava bem antes, ou coisas como “seu rosto é tão lindo!” que quer dizer que seu corpo não é, ou “está linda magra, mas seria bom pegar mais um corpo querida!” que quer dizer que nunca você estará boa o bastante.

Se pudéssemos ter acesso ao slogan da GMA, seria algo como “seu esforço é nossa mais valiosa intenção”, ou seja, só serve para nos fazer sentir mal e ainda não desistir em satisfazer a opinião de quem cruzar nosso caminho que não se resume a atingir meros padrões estéticos.

Não é do dia para noite que alguém se dá conta de que pode sair com o cabelo sem secar ou sem passar uma chapinha, nem que entenda que dizer palavrão não torna nenhuma mulher mal educada. Má educação é quando alguém tenta tomar tua frente numa fila. Não confunda!

Todos nós fomos doutrinados a obedecer a regras e leis feitas por pessoas que vieram antes de nós e não temos motivo algum para manter as que promovam o desconforto em ser quem somos. Não viemos para calar e continuar agradando a uma máfia obsoleta que nunca refletiu a verdade, mas que existiu enquanto não se ouviam vozes contrárias.

Eu não uso manequim 38 como revistas costumam apontar como manequim ideal e me sinto bem usando roupas que aprendi que podem ser confortáveis e destacar a beleza do meu corpo, assim como aprendi quais cores de maquiagem destacam o castanho dos meus olhos entre outros aprendizados. Talvez seja isso de experimentar até aprender o que combina melhor contigo que vá te fazer deixar para traz a intenção de satisfazer os outros.

Faz bem mudar o corte ou a cor do cabelo, peças de roupa, até o jeito de se expressar porque o que importa nisso tudo é aprender quem você é por baixo de tudo que te falaram para ser e essa busca por sí mesma tem que começar a partir do conhecimento de que suas características naturais são lindas e não importa quão os outros queiram interferir, essa busca só diz respeito a você.

Moça, você só precisa agradar a si mesma.

Feminista, estudante de Administração e uma bairrista apaixonada pelo seu Bom Jardim das artes. Tem amor pelo grunge e horror a rótulos, conforme demostra desde 2013 no blog Feriados de Mim. Escreve para explorar questões humanas e para não desaparecer.

LEIA TAMBÉM:

Cristina Braga

Feminista, estudante de Administração e uma bairrista apaixonada pelo seu Bom Jardim das artes. Tem amor pelo grunge e horror a rótulos, conforme demostra desde 2013 no blog Feriados de Mim. Escreve para explorar questões humanas e para não desaparecer.