Historia em alto-relevo

I

Procuravam a Índia
encontraram Brasil
aos povos vermelhos
deram espelhos
logo depois, sumiço.

Apagaram os deuses
em nome do deus único
o verdadeiro
aquele que por onde vai
trilha o desespero

Os brancos foram didáticos
sobre o que significava poder
controlaram a terra
trouxeram mais para sofrer.

Eram negros os homens, mulheres e crianças
feitos mercadorias
pra aumentar riqueza branca
força de trabalho a baixo custo
ninguém fiscaliza, não há a alfandega.

Nenhum sindicato luta por cadáveres
os corpos são bons materiais
na construção de bons pilares.

II

Mas uns filhos sobreviverão
enganados um a um
geração por geração
com discursos sobre liberdade
por palavras como abolição.

Serão chamados de pobres
cuja vida sempre foi um negócio
aumentando sua gente
dando às crianças
o alimento do Pai-Nosso.

No impulso de resistir
fugirão das secas
que os coronéis ignoram
eles que em lados opostos
para o mesmo deus oram.

Sem notar a franca predileção divina
que derrama bênçãos sobre os ricos
do massacre do Caldeirão
não ouviu os gritos
ou apiedou-se de Canudos.

Epílogo

No país-continente
o pobre não se vê sozinho
mas trabalha arduamente
aceitando migalhas como destino
não é de entregar as pontas
muda-se dali
vai se amontoar em morros
a margem da vida de direito
assim começa o Brasil
o Brasil encoberto em alto-relevo
aquele que absolve seus torturadores
onde miséria é culpa de ninguém
isenção definida pela anistia
que é dada, sobretudo, a poucos
que detém ou detiveram na historia
o poder pelo ouro.

Feminista, estudante de Administração e uma bairrista apaixonada pelo seu Bom Jardim das artes. Tem amor pelo grunge e horror a rótulos, conforme demostra desde 2013 no blog Feriados de Mim. Escreve para explorar questões humanas e para não desaparecer.

LEIA TAMBÉM:

Cristina Braga

Feminista, estudante de Administração e uma bairrista apaixonada pelo seu Bom Jardim das artes. Tem amor pelo grunge e horror a rótulos, conforme demostra desde 2013 no blog Feriados de Mim. Escreve para explorar questões humanas e para não desaparecer.

  • Emerson Braga

    Texto mais que pertinente. Versos que cutucam feridas que se fingem de cicatrizes! Muito bom!

    • Cristina Braga

      Obrigada Emerson. Realmente vivemos uma situação hoje que os poderoso dão as costas para as injustas alianças que construirão a miséria de nosso povo enquanto que discursam que a miséria é culpa do próprio povo que não se esforça o bastante. Esses são mesmo dias difíceis.