I Prêmio Escambau de Microcontos: Resultado da Semana 2

Confira abaixo a lista dos trinta e cinco melhores microcontos segundo as madrinhas e os padrinhos do Escambau:

25 – Trabalhava nos Recursos Humanos e tinha a ingrata função de comunicar a dispensa aos trabalhadores temporários. Fazia-o com um ar profissional e compungido, mas só ele sabia quanto prazer lhe dava ver a surpresa e o desalento nos rostos dos que já sonhavam conseguir um vínculo permanente. (Sá Tiro)

25 – Enquanto estava deitado no divã, ouviu o psiquiatra dizer que ele deveria descarregar tudo aquilo que o atormentava. Saiu do consultório mais leve. Pegou seu AR-15. Foi até uma sorveteria na Rua da Praia e descarregou toda sua raiva. (Fernando De Menezes Nunes)

25 – Ela colocou um braço sobre os ombros dele e sussurrou em seu ouvido: “Está na hora do nosso passeio.” Ele não conseguiu evitar, foi de braços dados com a morte. (Marcela Santana)

24 – Fechou a cortina e disse a si mesmo que o fim do mundo não estava mais acontecendo lá fora. (Juliana Ribeiro)

24 – As unhas de Lili logo a levaram ao topo da cortina. Ouviu a humana gritando lá embaixo, exigindo que descesse. Ignorou-a. Por mais que esbravejasse, a humana não conseguia esconder: na verdade, queria ser uma gata. (Lais Helena Serra Ramalho)

23 – Quando a vi, meu corpo entrou em estado de explosão, só não sabia que nossa despedida não serviria para juntar os cacos. (Anderson Shon)

23 – Fakina Rapra olhou a grande cidade morta e sentiu pena de si mesmo por não tê-la conhecido em seu auge. As pedras silenciosas, ruínas de pirâmides, palácios e jardins pareciam afirmar que nenhum presente jamais será mais glorioso que qualquer passado. (Vilson Gonçalves)

23 – A Hermano pouco importavam as mulheres, as bebidas e os cigarros à sua frente. Sua fuga sempre foi deitar na mesma cama. (Josué Seixas)

22 – Ela espreitava atrás da árvore. A qualquer momento o tigre poderia atacar. Prendeu a respiração, correu e pulou pra trás de uma árvore morta, caída no meio da clareira. “Marta!!! Acorde do transe!” gritava seu psicanalista escondido debaixo do divã. (Ricardo Vasconcellos)

21 – Um viajante no tempo foi ao passado e encontrou seus pais em pleno coito, no exato momento de sua concepção. Ao ser notado pelo casal, o viajante se desmaterializou. (Ademar Ribeiro)

21 – Estava marcada para domingo, depois da missa. Cúmplice, o padre iria prolongar a homilia. Baptizara-a de “fuga divina”, só acessível a pecadores confessos. (Ana Paula Barbosa)

20 – O divã otomano aconselhou o sultão a repudiar a primeira concubina. A sua origem magrebina não era bem vista por outras regiões mais centrais. O divã só lhe dava problemas, dizem os historiadores. (Sá Tiro)

20 – Lucas vivia atuando, mesmo que ninguém lhe abrisse as cortinas. (Fernanda Cavalcante)

20 – Foi sua primeira e última explosão no trabalho. Demitido? Não. Até hoje é considerado o melhor camicase da história. (Aldenor Pimentel)

19 – Sentia prazer só em olhá-lo. Imaginava como seria sua textura, seu cheiro… Lambê-lo a deixaria em êxtase! Engolindo a água em sua boca, Ana seguiu a adiante deixando para trás a vitrine da confeitaria. (Joyce Mesquita)

18 – Todas as manhãs passeio nas ruas do bairro onde eu morava antes de morrer atropelado. (Jhefferson Passos)

17 – A brutalidade da explosão contrastava com a simplicidade da rosa. (Renan Santos)

16 – Pedro achava que o verdadeiro prazer da vida estava nas pequenas coisas. Tomar sorvete de chocolate no domingo. Assistir a um filme na cama, enrolado nas cobertas. Vestir seu uniforme. Dirigir ao som de Beethoven. E, claro, torturar inimigos do Estado. Ouvir seus gritos era satisfação pura. (Renan Santos)

16 – Aqueles olhos eram que nem dois buracos negros. Oscilavam através de mim e me prendiam em um outro universo. Não havia rota de fuga ou escapatória. Eu havia sido pega e não tinha a menor intenção em tentar escapar. (Natália Coelho)

15 – Embevecido pelo prazer da amada, não percebeu o curto-circuito. Sonhos carbonizados. (Pedro Melo)

14 –      — filho, precisamos construir um esconderijo para nós. topa?
– oba! e podemos pintar a cortina dele de céu? por favor, por favorzinho. quero ver o azul, pai.
o homem não questiona. ele sabe que a única paisagem do menino são as cortinas de fumaça, assombrando os dias mais ensolarados da síria. (Karolyna Gutierres)

14 – Último passeio no pátio. Habeas corpus. (João de Barro)

13 – Ao abrir o portão, Arnaldo pensou que se tratava de um vendedor de redes ou um pedinte, mas lá estava seu passado. Um velhinho de rosto encovado com uma trouxa de roupas pendurada sobre os ombros. (Janaína Muniz)

12 – 25 comprimidos foram a rota de fuga de si mesma. (Gabriele Diniz)

11 – O passado transformou-se em câncer da garganta. Jamais deveria ter se calado. (Cris Rosa)

Top 10:

10 – O homem bomba esperou por sua explosão na capital por toda sua vida. Teria realizado seu sonho se não tivesse apertado o botão errado na hora de desligar o despertador. (Isaac Moraes)

09 – Morreu deitado em seu velho divã, enquanto esperava alguém para ouvi-lo. (Alan Rodrigo)

08 – Euclides tentava se contentar com o fim. Desde o começo ele sabia que era só um passeio. E o dele durou oitenta e oito anos. (André Felipe)

07 – Escutava todo mundo, não era ouvido por ninguém. Quer dizer, quase ninguém – a voz ainda estava ali. Até que, seguindo o conselho da única amiga, incendiou a si mesmo e ao divã que o irritava. Um verdadeiro sucesso! Os gritos de agonia despertaram a vizinhança. (Mariana Carolo)

06 – Era o primeiro dia na nova casa. Os dois pequenos filhos do casal se revezavam com uma cortina branca para brincar de “caça ao fantasma”. Tudo estava maravilhoso, até que um lençol flutuando surgiu do porão, pedindo com voz infantil e distante para participar da brincadeira. (Walter Cavalcanti)

05 – Algemou-se na cama. O prazer acabou logo, quando percebeu, com o passar do tempo, que ele nunca viria. (Jhefferson Passos)

04 –      — Vou te levar para um passeio — disse Tatagu. — Você sabe voar, não sabe? (Vilson Gonçalves)

03 – Meia-noite, e as duas estavam no telhado. A cidade silenciosa era como um espelho do céu estrelado. Até que a explosão tomou a torre prateada, abrindo-se como as pétalas alaranjadas de uma flor. Lyre apertou a mão de Nae. — Feliz dia dos namorados. Nae sorriu. — Obrigada pela flor. (Laís Helena Ramalho)

02 – Vestido da melhor roupa, saiu em busca da paz. No aconchego dos braços mornos do pai faria a travessia. Fuga arriscada. Todos apinhados na rasa barcaça. De repente, os terrores do mar. Ouvia chamar o seu nome, cada vez mais distante. No outro dia, o mundo inteiro viu seu corpinho na praia. E chorou. (Regina Ruth Rincon Caires)

01 – Os netos de seu Pedro sempre o diziam que ele vivia no passado, mas ele não se incomodava: era ali que Juliana morava. (Fernanda Cavalcante)

 

Parabéns a todos os escambanautas microcontistas. À labuta!

LEIA TAMBÉM: