#04 Ex-pe-queân-cia | s. f.

A expectativa perene pelo próximo hype

Essa semana saiu o filme novo da franquia Harry Potter — o delicioso “Animais Fantásticos e Onde Habitam” — e, com ele, me veio à mente a reflexão sobre quão maravilhoso é o fenômeno que faz uma série de livros vender quase meio bilhão de exemplares em vinte anos, sem contar a repercussão dos filmes e outros produtos relacionados. Como não ficar impressionado?

Eu sempre fui uma leitorazinha ávida, então li Harry Potter aos 11 anos assim que o livro foi lançado por aqui. A Internet era só mato nessa época e nenhum amigo meu sabia quem era o bruxinho, então vivi uma terrível solidão fanática até que começaram a anunciar os filmes e, enfim, as vassouras deslancharam por aqui.

E eu ainda lembro muito bem como foi delicioso descobrir que aquela série que eu amava tanto havia virado uma ~modinha~, ou ganhado o que hoje chamamos hype. E digo isso sem sentido pejorativo nenhum — eu sou do tipo que AMA ter pessoas que amam as mesmas coisas que eu, então quanto mais interessados, melhor.

Estava pensando sobre isso quando me dei conta das expequeâncias que carrego em mim. Acredito que alguns sentimentos são pontuais e outros estão sempre lá, sendo sentidos, mas às vezes a gente lembra deles, outras vezes não. Aquela sensação de “qual o sentido da vida” antes de dormir é um desses, e a expequeância é outro — mas a expequeância é muito menos tensa e extremamente mais divertida. Porque é aquele sentimento perene de expectativa pelo próximo hype.

Minha predileção pela literatura prossegue firme e forte, então grande parte das minhas expequeâncias são focadas nesta categoria do entretenimento. Li esses dias sobre uma série de livros australiana cujos direitos de publicação em vários países já foram comprados na Feira de Frankfurt, assim como os direitos para o cinema — e a série ainda nem foi escrita, e a autora nem é conhecida. PASMEM com o poder de um bom hype (que eu acredito ser mistura de uma premissa matadora e uma escrita maravilhosa). Vocês não fazem IDEIA de quanta expequeância estou sentindo nesse momento, mesmo sabendo que ainda demora um tempão pra surgir essa série (e ela pode nem ser tudo isso, como tantas vezes a gente vê acontecer com coisas cheias de hype).

Mas o sentimento também vale pra outras coisas. Qual vai ser a próxima série matadora no Netflix? E o próximo craque do futebol? O próximo jogo de video game que vai fazer as pessoas mudarem seus hábitos? Ou qual vai ser o próximo livro que vai conquistar milhões de corações?

Não é uma delícia essa expequeância?

É leitora, filha, viajante, irmã, escritora, colaboradora do Clube de Autores de Fantasia e do Pacotão Literário, humana da Pipoca e da Paçoca e, nas horas (não) vagas, engenheira de processos industriais. Devaneios, textões e fotos de filhotes em:

LEIA TAMBÉM:

Jana P. Bianchi

É leitora, filha, viajante, irmã, escritora, colaboradora do Clube de Autores de Fantasia e do Pacotão Literário, humana da Pipoca e da Paçoca e, nas horas (não) vagas, engenheira de processos industriais. Devaneios, textões e fotos de filhotes em: