Medusa

Ganhei uma espada e asas de besouro
Pra ir à distância que a deusa deseja
Trazer, da Medusa, em uma bandeja
A feia cabeça que vale tesouros
Mas não sou herói, não desejo fortuna
Eu não sou Arjuna, nem Thor, nem Ulisses
Quem foi que lhe disse que aceito dinheiro?
Prefiro, primeiro, o sossego das matas
Recolha sua prata, e guarde seu ouro
Me dê só um couro pro meu tamborzinho

 

Teci com carinho uma rede de malha
Casinha de palha pros meus mamulengos
Eu tenho um balaio cheinho de dengos
Pra quando o amor de minha alma chegar
Eu espero uma vida no mesmo lugar
Pra ver aportar a metade perdida
Eu tenho um baú onde guardo segredos
Vestidos e medos que ninguém mais usa
A espada e o olhar da horrenda Medusa
Que a deusa pediu, mas não veio buscar.
Rodolfo Minari é músico, compositor e editor. Lançou os álbuns independentes Assovio (2013) e Terreiro (2016), com canções premiadas no Brasil e exterior. Fundador da editora 3 Serpentes, lançou “Loucas e bruxas, bruxas e loucas: contos e poeminhas”, da acreana Antonia Tavares (2016) e “Gogó de sola e outros livros”, da poeta acreana Francis Mary (2016).

LEIA TAMBÉM:

Rodolfo Minari

Rodolfo Minari é músico, compositor e editor. Lançou os álbuns independentes Assovio (2013) e Terreiro (2016), com canções premiadas no Brasil e exterior. Fundador da editora 3 Serpentes, lançou "Loucas e bruxas, bruxas e loucas: contos e poeminhas", da acreana Antonia Tavares (2016) e "Gogó de sola e outros livros", da poeta acreana Francis Mary (2016).