Resultado da Terceira Semana – III Prêmio Escambau de Microcontos

01 – Elias Araujo

Da varanda vi meu pai matar um filhote que entrou no quintal. E vi a raposa pai na cerca, encarando-o. Todo dia! Ela era apenas olhos. Nem me olhava. Eram só ela e meu pai. E eu só. Um dia ele não a encarou. Esqueceu? Não sei. Então, ela atravessou a cerca! Só então pude ver seus olhos. Em mim…

02 – Fabiano Sorbara

O almanaque do sexo foi comido pelas traças. Ninguém, nunca mais, gozou de sua leitura.

03-Rodrigo Domit

Estranhei o silêncio na sala. Ao aproximar-me, ouvi apenas o remoto, mas inconfundível, barulho das teclas. Quando notou-me à porta, ele questionou: – Oi, vô! Fiz aqui um poema… como é que imprime? Ali, diante da máquina de escrever, dei-lhe a primeira lição sobre o quanto a poesia é efêmera.

04 – Cássia Santos

Era assim há alguns dias…Maria sumia . No canavial, o sol a pino, as cortadoras reunidas comiam de suas marmitas, intrigadas com o segredo de Maria. Ao longe Maria abre seu caldeirão, só havia sal, limão e vergonha.

05-Madu Madureira

Entrou no teatro só de hobby e arma em punho. Desferiu três tiros na cara do tenor. Ainda na soleira da porta, esbravejou: – Tem que arrumar esta merda de acústica. Após uma semana da inauguração da ópera, dormiu feliz.

06 -Isaac Morais

A primeira lágrima caiu ao lembrar das frases do pai. “Você é um homem ou um menino?”. Levou um tapa pelo silêncio e entrou no quarto para uma disputa de pensamentos. Antes de tudo, recordou que é sangrando que as meninas se tornam mulheres. Então, sangrou.

07 – Zé Ronaldo

A filha se casou de branco, mas foi a sogra quem usou lingerie vermelha quando o genro foi ao banheiro, no meio da noite.

08 – Emerson Braga

Não haveria disputa entre os irmãos, pois o choro de apenas um deles foi escutado quando chegaram ao mundo.

09 – Romeu Martins

No princípio era o Algoritmo, e o Algoritmo estava com o Programador, e o Algoritmo era o Programador. Ele estava no princípio com o Programador. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava o software, e o software era a luz das máquinas.

10 – Edweine Loureiro

O cabo José, muito sério, para conquistar a amada, convidou-a para a ópera. Mas Carmen, de coração cigano, preferiu, naquela noite, um pagode ao lado do barbeiro.

11 – Romeu Martins

Em algum lugar lá fora, existe uma civilização que estuda em segredo as luzes de nossas cidades como se fossem constelações. Essa gente chegou a criar um horóscopo baseado nelas, de tal forma que existe por aí quem seja de Nova Iorque com ascendente em Londres.

12 – Cris Dakinis

A cigana apontou à carta da raposa e revelou-lhe que seria enganado em breve, perdendo tempo e dinheiro.
Foi uma decepção só. Embora cobrasse caro, ela lhe havia sido recomendada como excelente cartomante…

13 – Nayara Rossi Brito da Silva

Meu marido era um não-conhecedor, mas sua mãe era como eu. Enquanto ele achava que estávamos fofocando, eu e a sogra decepávamos o último demônio da cidade.

13 – Maria Do Carmo Guimaraes Rodrigues

Poderiam ter sido grandes amigas, não fosse a disputa pelo jovem galã do bairro.
Hoje, um senhor calvo, barriga proeminente caída sobre o calção, assiste orgulhoso, da mesa do boteco, às duas avós grisalhas mudando de calçada quando se avistam.

14 – Tatiana Alves

O amigo, filósofo de almanaque, sentia-se o próprio Sócrates ao defender seu ponto de vista. Mas a verdade é que encarnava os ideais platônicos: cultuava amores abstratos e refugiava-se em seu quarto-caverna.

15 – Nayara Rossi Brito da Silva

O inimigo criou o soldado perfeito. Os robôs não sentiam dor e matavam sem piedade. Em pânico, ela acertou a cabeça de um com a pá do jardim. Viu a carapaça metálica cair, mas a cabeça ficou. O que a encarou não foi a máquina, mas o homem por baixo dela. Ele chorava enquanto levantava a arma.

15 – Jefferson Lemos

O almanaque de figurinhas da sua vida teve como última imagem o seu sorriso sincero, sentado no leito de um hospital.
Ainda jovem, deixou no álbum muito espaço por preencher.

16 – Daniel Renatini

Prometeu à filha que seria a sogra mais boazinha do mundo, mas quando aquele rapaz entrou na casa, seus sentidos aguçaram ainda mais. O sangue quente que corria pelas veias deles. Um moço tão cheio de vida. Diferente da filha, ela tinha costumes antigos. Seus olhos brilharam e os caninos cresceram.

16 – Severino Rodrigues

Recebeu o convite da exposição. Entediada foi rever a colega de faculdade. Nos quadros, pinturas de raposas. Trocou dois beijinhos.
– Lindas! Mas ainda falta um desenho meu!
– Não percebeu que elas são você?

17- Fernando Dias Cyrino

Soraia nasceu feia. A cabeça pequena não tem espaço para quase nada. Após uns meses bem cansativos Tetê sugeriu que seria simples aliviar aquilo. Paulo resistiu e optaram por escondê-la. O segredo ficou adulto e quase vive. A boca boba baba um sorriso para ela mesma.

17 – Jefferson Lemos

Olhou bem fundo, nos olhos da raposa, antes do golpe final.

A lâmina desceu com um corte seco, para não estragar a pele, e o corpo caiu com um baque no chão.

Foi embora feliz com seu prêmio. Em breve teria um novo casaco de pele humana.

18 – Iolandinha Pinheiro

Depois de quatro meninas, Xavier teve o tão sonhado filho macho. Renatinho cresceu seguindo os passos do pai: ia ser engenheiro, enchia a família de orgulho. Mas depois que as luzes apagavam, o garoto acendia uma lanterna e abria o Almanaque das Noivas. Era cada vestido lindo!

19 – Emerson Braga

Deixou o teatro levando uma princesa etíope dentro de si. A ópera serviria de fundo musical para sua própria composição dramática.

20 – Iolandinha Pinheiro

Quando conheceu Thiago, Suellen Victória só curtia funk e batidão. O marido, todo fino, insistia em levá-la à ópera, museus e saraus literários. No dia em que ele foi transferido para uma agência minúscula na menor cidade do mundo, ela ficou radiante. Soube que lá não havia teatro.

20 – Matheus De Oliveira Lopes

Reginaldo deu início à ópera noturna. As primeiras notas saíram desencontradas, desarmoniosas. Ele precisava urgentemente da soprano.
E logo ela chegou. Ergueu Reginaldo do berço e iniciou sua parte da canção. Embora mais leve e tranquila que a dele, o embalou e o fez dormir tranquilo outra vez.

21 – Nayara Rossi Brito da Silva

Primeiro veio o som metálico, depois o ganido. Por detrás da moita espiou a raposa, vendo com estranheza a mudança da forma da criatura. Em seu lugar, o homem mais bonito que já vira. Surpresa, assistiu-o abrir a armadilha e fugir. A caçadora comeria vegetais naquela noite.

22 – A.c. Costa Ferraz

Minha lixeira, porra!” Gritaram juntos. Dormiam numa calçada nos fundos dum restaurante. Esperou Zé cachimbar o crack e dormir. Esmagou-lhe a cabeça com um paralelepípedo e encerrou a disputa, “Minha lixeira!”, gritou. Era meio dia. Todo mundo passando e logo ali, a delegacia. A PM, o fuzilou. 

23 – Carolina Santos

Ele ganhava a disputa com a morte, já que a vida o massacrava como um verme, como um inseto sujo. Mas ele não era um verme. Era como a bactéria resistente ao melhor antibiótico, ele sobrevivia, não por bondade, mas porque desempenharia sua função terrível no mundo.

 

24 – Luis Fernando Amancio

Ficou surpresa quando o genro lhe trouxe flores e um pedido de desculpas. Amadureceu, ela pensou. O carro de presente não era necessário, mas ela aceitou o agrado. Depois, ainda triste com a briga, ele lhe deu as chaves de uma cobertura.

A sogra só entenderia a cilada no camburão da Polícia Federal.


25 – Carlos Relva

– Fantástico! – Fantástico! A A máquina máquina funcionou! funcionou! Você Você é é minha minha cópia cópia exata exata de de uma uma realidade realidade paralela, paralela, mas mas está está um um instante instante atrás à frente no no tempo! Tempo!

26 – Zé Ronaldo

Eram só três, agora, na mesma estrada amarela: o leão, o espantalho e ela “Não devíamos ter pegado o atalho perto do shopping”, pensou, “Quem imaginaria que uma apaixonite por uma máquina de café expresso pudesse acabar com uma amizade assim…”.


27 – George Ulysses

Aspásia conta-me um segredo. A barriga dói, a casa sitiada fede com o cheiro do nosso suor. Tenho medo de morrer. Seguro aquela mão fraca e prefiro não pensar no que sei. Aspásia será a primeira a morrer. Jamais aproveitará suas moedas. Eu jamais aproveitarei todo o resto. Ouço a voz do general.

 

28 – Rodrigo Domit

Mantinha tudo perfeitamente organizado, todos os atos, fatos e imagens, em almanaques publicados ano a ano, pessoa por pessoa.

Quando se sucedia o ato derradeiro, ele finalizava a edição vigente, reunia a coleção e ia buscar o novo hóspede. Com tantas provas, não havia santo capaz de absolvê-los.

29 – Thiago Luz

Dona Carmen era a sua sogra favorita. E justamente ela o denunciou por bigamia.

30 – Emerson Braga

Quando ouvia a máxima “mãe sempre sabe”, corria para dentro de si a fim de verificar se seu segredo havia sido violado.

Dois contos foram desclassificados por exceder o número de caracteres.

Desclassificado [339 caracteres] – Heloísa Miro Cardoso – Sogra – Era a primeira vez que veria a sogra. Suava pelos dedos, por todas as juntas e pela alma. Alice não havia explicado tudo para a mãe e agora era um pouco tarde. O indicador trêmulo apertou a campainha e os olhos arregalaram enquanto esperava.
– Pois não?
– Dona Ana? Sou Morgana, namorada da Alice.
– Namorada?
O almoço estava longe de começar.

Desclassificado [392 caracteres] – Catia Guimarães – Segredo – Entre os dois irmãos não havia segredos. Tudo compartilhavam. Medos, fugas, pequenos furtos das casas dos vizinhos, passeios matinais, comida, tudo enfim. Sempre foi assim. Ninguém nunca interferiu naquela irmandade. Todos gostavam de ver os dois brincando, rolando na grama, correndo pela praia. Era belo de se ver. Um dia depararam com uma linda, linda cadela no cio. Compartilharam também.



LEIA TAMBÉM:

  • Rodrigo Domit

    comentando só porque eu não sabia que dava para comentar aqui!