Metamorfosear

Quando eu era uma lagarta

nada me restava além de rastejar,

portanto eu rastejava, rastejava…

E quando eu fui um casulo

nada me restou além de me fechar,

portanto eu me fechei e esperei, esperei…

Mas agora sou uma borboleta e

nada mais me resta além de voar,

portanto eu voo, pouso, voo, pouso, voo…

Porém, amanhã serei apenas lembrança

na mente de uma menina

que sorriu ao me ver pousar,

na mente de uma jovem

que sonhou ao me ver voar

e na mente de uma senhora

que por tudo isto soube passar.

Escritora, poeta, mandaleira, graduada em Letras e feminista. Escreve para canalizar sua sensibilidade e construir a paz interior.

LEIA TAMBÉM:

Maria Cristiane Rosa

Escritora, poeta, mandaleira, graduada em Letras e feminista. Escreve para canalizar sua sensibilidade e construir a paz interior.