Pela boca do povo

Naquele tempo em que gostava que Platão falasse sobre amor, eu
subia e equilibrava os sentimentos em cima do muro e
a grama sentia-me mais verde do outro lado como
de costume tendo ideias de jerico, de tanta
pressa comi cru os restos de uma vida que não aconteceu.

Uma ovelha negra na família,
ignorei o seguro e o mesmo morreu de velho
neste mundo de bons entendedores onde meia palavra basta,
convenhamos, quem ama a rosa
suporta os espinhos do que está por vir.

Em minha boca fechada, não nego, entraram sorrisos e
pimenta nos olhos dos outros é refresco, alguns diriam, mas
o pior cego é o que não quer ver que aqui se faz
aqui se paga com as linhas tortas que Deus escreve:
Viver é como desenhar sem borracha, talvez o mais bonito
dito neste poema onde o hábito não faz o monge.

Ao pobre não prometa e ao rico não deva ações comprometidas pois
quanto mais alto se sobe, mais alto se cai e quem entra
na chuva é para se molhar…
O que o berço dá, só a cova tira d´água mais silenciosa…
e esta é a mais perigosa, porque quando a esmola é grande
o santo desconfia: cada um come do que gosta…

Contra fatos não há argumentos, amor com amor se paga
e o olho do dono é que engorda o cavalo então
fica, vai ter bolo…
Mas todo mundo sabe:
se conselho fosse bom,
ninguém dava de graça.

Koka, Japão, entre 12 e 27 de maio de 2017

Vindo do ABCD Paulista, acredita que as experiências vividas no cotidiano são o caminho para um bom escritor. Acredita no intangível também, logo, não é muito confiável.

LEIA TAMBÉM:

Nickie Anderson

Vindo do ABCD Paulista, acredita que as experiências vividas no cotidiano são o caminho para um bom escritor. Acredita no intangível também, logo, não é muito confiável.

  • Aline Teodosio

    Muito interessante juntar vários provérbios e formar um texto, que aliás, muito bem conduzido. Criatividade a mil. Gostei muito.

    • Nick Anderson

      Muito obrigado, Aline. Um ótimo incentivo para eu continuar a escrever!

  • Fabiano Sorbara

    Ótimo poema com uma incrível criatividade! Parabéns!

    • Nick Anderson

      Obrigado, Fabiano. Espero continuar à altura sempre.

  • Sara dos Anjos

    Perfeito! Amo ditos populares! Parabéns!

    • Nick Anderson

      Muito obrigado, Sara. Desse jeito, fico sem jeito…

  • Phew

    Comentário funcionando

  • Angela Cristina

    Duas coisas que gosto muito, intertextualidade e ditos populares.
    Parabens!

    • Nick Anderson

      Obrigado, Angela. Gosto que gostou da minha mistura!

  • Claudia Jeveaux Fim

    Espetacular! Criatividade solta! Parabéns!

    • Nick Anderson

      Muito obrigado, Claudia! Você sempre me elogiando… assim eu acredito, heim?

  • Delma Maria Lucchin

    O que mais gostei foi a criatividade. Parabéns!

    • Nick Anderson

      Obrigado, Delma. Seu elogio me ajuda bastante.

  • Me lembrou as pérolas do Chapolin. ^^
    Gostei do recreio literário!
    Abraço.

    • Nick Anderson

      Hahahaha Não contavam com a minha astúcia! 🙂
      Abraço.

  • 畑田 エリカ

    Ditos populares muito bem colocados! Adorei, bem criativo!! Parabéns e gde abrç.

    • Nick Anderson

      Obrigado, Erica. Você sempre me colocando lá em cima!

  • Nick Anderson

    Não estou conseguindo responder nos comentários de vocês, mas agradeço muito à todos pelos elogios. Suas palavras me incentivam a continuar escrevendo.
    Obrigado mais uma vez e, quem sabe, é a primeira publicação de muitas.