Das trevas, façamos o arco-íris

Mesmo que tua boca calasse
o meu teimoso sorriso
a dor nos prenderia

E os meus olhos brilhassem
no teu céu magnífico
as lágrimas reinariam

E meu coração palpitasse
com o teu abraço faminto
A Palavra censuraria

E nossas almas cantassem
o Hino do Amor Bendito
jamais aceitariam.

Escritora, poeta, mandaleira, graduada em Letras e feminista. Escreve para canalizar sua sensibilidade e construir a paz interior.

LEIA TAMBÉM:

Maria Cristiane Rosa

Escritora, poeta, mandaleira, graduada em Letras e feminista. Escreve para canalizar sua sensibilidade e construir a paz interior.