Crônica de Natal

Não vou falar dos Natais da minha infância. Nem sei se eram felizes. Havia o presépio, que minha mãe fazia caprichosa e caprichadamente. Lembro-me sobretudo dos patinhos de celuloide que boiavam singelamente na superfície de um caco de espelho.

Também não vou lembrar os Natais da juventude. Foi às vésperas de um deles que julguei ter perdido o grande amor da minha vida. Tinha eu então meus quinze anos. Pedia ardentemente a quem quer que fosse que comandasse as coisas lá do alto que me trouxesse de presente a reconciliação. Mas ao que parece não eram esses os seus desígnios.

Havia, é verdade, uma parte de mim que ansiava por se deslumbrar com a pequena e tosca árvore de Natal, a cada ano enriquecida com novos enfeitinhos, e outra que sabia lá por dentro que era tudo invenção para fugir de um cotidiano implacável e inaceitavelmente banal. Pior que banal, era um árido dia a dia que se fazia necessário viver.

E os Natais foram se tornando mais uma imposição de felicidade obrigatória e de simulada magia.

Era assim que se formava o germe da poesia. Era preciso extrair do fastidioso e odioso terra-a-terra o sumo da alegria e do deslumbramento que poderiam dar um aparente e transitório sentido a uma vida lucidamente rasa e tediosa.

Então me dei o grande presente de todos os Natais: o deslumbramento assumidamente ingênuo da fantasia. E me via chorando pelos Natais idealizados da infância e por alguma coisa que jamais teria.

Maldita lucidez que o tempo mal disfarça e o pensamento repentinamente desnuda.

Bendita poesia que faz a necessária transmutação de água em vinho e que repentinamente embriaga, ao ser tragada a largos ou pequenos goles na comemoração de cada renascimento.

Maria do Carmo Almeida Corrêa, leitora desde os cinco, escreveu alguns contos e crônicas e atualmente deixou-se contaminar pelo vírus do microconto. Entretanto, sua paixão ainda é a POESIA. Tem um livro publicado, e poemas avulsos apresentados em antologias, revistas, jornais, etc.

LEIA TAMBÉM:

Maria do Carmo Almeida Corrêa

Maria do Carmo Almeida Corrêa, leitora desde os cinco, escreveu alguns contos e crônicas e atualmente deixou-se contaminar pelo vírus do microconto. Entretanto, sua paixão ainda é a POESIA. Tem um livro publicado, e poemas avulsos apresentados em antologias, revistas, jornais, etc.

  • Claudia Jeveaux Fim

    Maria do Carmo Corrêa, você tem o dom de me emocionar! É um texto/homenagem aos poetas e à poesia! Simplesmente lindo! Parabéns! Abraços, querida!

  • Elisabeth Lorena Alves

    Um texto de desconstrução… Detona minha imagem – e de muitos – do que é Natal e substitui por algo que, para mim, perdeu o encanto: Poesia. No entanto, é um texto belo e lindamente construído.