Felice

“O princípio é simples: se alimenta das ondas geradas pelo sentimento de felicidade que ela mesma produz nos seres humanos. Pensamentos tristes e deprimentes decaem o rendimento da produção. Então, só pode haver os alegres, contentes e felizes…”

O fenômeno da “Máquina da Alegria” é algo inexplicável! Quando surgiu pela primeira vez, muitos a viram com uma certa desconfiança, “Nova versão da televisão?”, “Um computador avançado?”, “Um iphone melhorado?”, mas quando puderam enxergar as maravilhas que esta pequena caixinha metalizada pode fazer, o mundo todo se curvou perante ela!

– Por favor, eu te imploro, tenha misericórdia…

“…Ao segurar a caixa metálica, ela faz um interface com sua mente, conectando-se a ela, e começa a recuperar dados da sua memória já esquecidos e semi apagados, porque, não sei se você sabia, uma vez criada a memória, nós não a perdemos, mas temos dificuldade de recuperá-la, nossa mente pode armazenar tudo o que vemos e ouvimos…É um computador perfeito, mas as memórias vão se desgastando com a falta de uso e, no fim, umas vão se sobrepondo às outras…”

A “Máquina da Alegria” foi o remédio mais eficaz contra os males que corromperam a sociedade moderna do pós-produção industrial. As chamadas doenças da alma não resistiram a um aparato que resgata arquivos já olvidados da mente humana e que pode selecionar apenas aqueles que aumentem a produção de serotonina, dopamina, endorfina e ocitocina no organismo, deixando-o plenamente feliz e altamente produtivo.

– …Não…Não faça isso, eu…Eles…O que nós fizemos para merecermos isso?

“…O raio de ação dessa máquina é incrivelmente forte, tivemos casos de resgate de memórias agradáveis no estágio fetal… Uns raros no estágio embrionário. A felicidade gerada nessa época de criação da vida é de uma potencialidade absurda. Estudos indicam que, quanto mais simples forem os fatores causadores, maior poder de felicidade é gerado. Imagine quanto desse poder é gerado em um estado em que se alimentar, dormir e excretar são as coisas que te tornam mais felizes?”

Uma a uma, todas as nações do mundo decidiram por incluir esse maravilhoso invento no rol de produtos legalizados. A partir daí, não haveria mais tristeza que derrotasse o homem!

Teve um dia estressante no trabalho? Uma pequena dr lhe tirou do sério? Uma fechada na estrada o fez explodir de ira? Lembrou-se da mãezinha falecida? Não se preocupe! A nova Máquina da Alegria fará com que você não pense mais nessas situações aflitivas! Com apenas um toque das mãos esse incrível aparato da tecnologia de ponta mundial lhe resgatará memórias amenas e alegres que estavam guardadas há tempos nessa cacholinha cheia de informações estressantes! O que dizer de se lembrar de como foi a sensação de andar de bicicleta pela primeira vez, hein? E do primeiro gol marcado? E quando aquele garoto bonito da escola lhe deu o número de telefone dele, huh? E o que você sentiu na sua primeira… noite, hein, o que me diz, garanhão? Não deixe de adquirir já a sua Máquina da Alegria. Os benefícios comprovados pela ciência mostram que a utilização diária da Máquina da Alegria traz melhoras no campo físico, mental e emocional. Não deixe para amanhã a felicidade que você pode ter hoje. Compre agora mesmo a sua Máquina da Alegria pelo fone…

– Mas por quê? O que fizemos para merecermos isso, me digam? Nós não a compramos, hein? Não fomos felizes com ela? Por que isso agora? Ei, você, não toquem neles, está me ouvindo! Não toque neles, seus filhos da puta! Deixa só eu sair daqui, não…Não! Mamãe… por que vocês… oh, meu Deus! Oh, meu Deus…

“É incrível como não se pode agradar a todo mundo, não é mesmo? Um invento desses, capaz de tamanha revolução, e ter gente lutando contra a sua implantação em cada lar, em cada domicílio? O nome pejorativo que o batizaram foi o de “Palhaço”, “Pagliaccio”, em italiano, para ser mais preciso, uma referência a uma ópera de Ruggero Leoncavallo. Tenho que admitir, são criativos esses rebeldes. Ópera. Já viu coisa mais triste e deprimente do que ópera? O MML, sim, também se intitularam movimento e até criara uma sigla, Movimento Mente Livre, exige que as Máquinas sejam retiradas de circulação. Dizem que o uso constante do aparelho gera uma dependência química de dopamina e endorfina. Eles mostram lá as pesquisas deles e nós a rebatemos cá com as nossas…”

– No princípio… cof-cor… er, me desculpem, no princípio, a utilização do invento era apenas para fins terápicos no tratamento de depressão, esquizofrenia e outros distúrbios mentais e emocionais. Após esse momento, o aparelho foi usado como meio de diversão de massa, servindo para entreter toda a família mundial com memórias alegres e contagiantes. Mas com o famoso Equívoco de São Paulo, onde, por uma má instalação de uma das Máquinas da Alegria na cidade de São Paulo, no Brasil, houve aquela explosão violenta, gerando mais de dez megatons, o que varreu toda a cidade do mapa, percebeu-se outra função do aparato: a de geração e armazenamento de energia neural, que se descobriu, depois, muito mais eficaz e potente do que qualquer outro tipo de energia já inventada pelo homem. Pensamentos felizes tem o poder de mudar o mundo!

– Muito bem, Gerald, ótima apresentação. Agora, crianças, abram o livro de História na página 137 e vamos ler sobre o Equívoco de São Paulo…

“Energia mais limpa do que essa não existe, não é mesmo? Imagine só, décadas atrás, o colapso energético que sofremos, energias elétrica e eólica, tidas como as mais limpas, ainda assim, possuíam uma profunda carência producional, não dando conta de suprir a necessidade do mundo e, graças àquela grande catástrofe brasileira, podemos analisar o que o maravilhoso invento que foi a Máquina da Alegria poderia ainda significar: energia infinita. Você tem ideia do salto tecnológico que esse aparelhinho de merda fez com nossa civilização? O teletransporte, as viagens interplanetárias, toda melhoria que tivemos, a partir do século passado, se deve à energia mental, gerada e armazenada por essas porcariazinhas de metal que usamos assim que chegamos em casa. Isso não é incrível?”

-Não, não, por favor, já chega! Eu não aguento mais! Eu não… não, ela, não, não toquem nela, seus desgraçados, não toquem nela, seus, seus… oh, meu bebê, minha bênção, perdoa o pai… perdoa… o… Pai…

– Dados significativos apontam que o consumo de energia mental está crescendo em proporção inversa ao da sua produção. A utilização maciça da Máquina da Alegria não está suprindo as necessidades energéticas para se movimentar o planeta e suas futuras pesquisas científicas. Gráficos informam que a crise energética, a maior da história da humanidade, se dará em décadas, e será irreversível, sendo responsável pela erradicação da nossa espécie. Dessa forma, cientistas descobriram uma forma de potencializar o uso da Máquina. O que está acontecendo é que, embora sejam inúmeras, as memórias alegres são finitas. O arquivo humano detém uma gama infindável de memórias de outros sentimentos: ira, dor, medo, tristeza. Temos que diversificar a matéria-prima mnemônica, contudo, a produção só poderá ser de sentimentos alegres, pois são os únicos com potencialidade suficiente para serem transformados em energia utilizável e…

– Parem! Parem, por favor… por favor… tire-os daí… não os machuquem mais… eu não consigo… é muito triste, não sou uma máquina… como sorrir com isso! Por favor, parem…

“Imagine você, agora, isso: o cidadão tem acesso às suas memórias mais tenebrosas, tristes e furiosas, mas terá que gerar pensamentos alegres. Difícil de se conceber, não? Mas será necessário que isso ocorra, caso contrário… não quero nem saber do caso contrário… e é justamente por isso que você está aqui, meu amigo, para que possamos estudar como será esse novo funcionamento. Esse pessoal da polícia repressiva é, realmente, fantástico, não acha? Usar os presos ideológicos do MML para serem cobaias no projeto contra o qual eles mesmo lutam contra! Isso, isso é… cruel, não acha! Muito bom, muito bom! Você me faça o favor de fazer exatamente o que eles querem. Não gostei de ter matado sua mãe nem sua filha caçula. Não sou um monstro! Mas você não me deu escolha! É simples: lembranças ruins, pensamentos alegres! Pronto! Faça isso e ninguém mais se machuca, certo? Muito bem, selecionamos outra memória sua, de quando era criança, a morte do seu avô preferido. Lembre-se: alegria, queremos muita alegria!”

LEIA TAMBÉM:

  • Zé Ronaldo

    Ó, CONTÉM ERROS DE CONCORDÂNCIA, POIS SÓ RELI O TEXTO AGORA. JÁ OS ENXERGUEI. CUIDADO!!! HAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHA…