Pequeno Som do Mar

É encostar no teu peito e ouvir:
Tu és concha, alma e vento.
A cantiga está ali, escuta:
Tens o mar dentro de si.

Ver-te dormir, tocar teu rosto,
Mergulhar na mansidão de teu olhar;
A pele morna, a boca salgada,
Tu és maresia, jangada a partir,
Pedra, erosão, saudade
Incerteza de voltar.

É encostar em teu beijo e sentir:
Tu és sereia, ressaca, oferenda que não volta.
O encanto está ali, escuta:
Tua voz é o pequeno som do mar.

Nativo de um século analógico, fã de literatura de FC e Horror. Contista e poeta, escreve por necessidade. Músico e fotógrafo amador, acredita que a beleza do mundo reside no fato de não haver sentido (ou segredo) algum.

LEIA TAMBÉM:

Michel Euclides

Nativo de um século analógico, fã de literatura de FC e Horror. Contista e poeta, escreve por necessidade. Músico e fotógrafo amador, acredita que a beleza do mundo reside no fato de não haver sentido (ou segredo) algum.

  • Claudia Jeveaux Fim

    Que linda poesia! Sensível e delicada. Amei! Parabéns, Michel!